Todos os anos, mais de 250 mil mulheres morrem de câncer cervical, sendo que 85% dessas mortes acontecem em países de baixa e média renda. Décadas atrás, o câncer cervical matava mais mulheres americanas do que qualquer outro câncer. Hoje em dia, ele fica muito atrás dos tumores de pulmão, cólon, mama e pele.

Agora, um procedimento extremamente simples, rápido e barato, apresenta potencial para fazer com os países pobres o que o exame de Papanicolau fez para os ricos: fazer com que o câncer cervical deixe de ser o câncer que mais mata as mulheres.

O procedimento, que foi desenvolvido por especialistas na escola de medicina Johns Hopkins na década de 1990 e aprovado ano passado pela Organização Mundial de Saúde, consiste em “escovar” o vinagre no colo do útero da mulher, fazendo com que manchas pré-cancerosas se tornem brancas. Elas podem então ser imediatamente congeladas com uma sonda de metal resfriado por um tanque de dióxido de carbono.

O procedimento, conhecido como VIA/cryo (uma abreviação de visualização do cervix com ácido acético (vinagre) e tratamento com crioterapia), pode ser feito por uma enfermeira, e apenas uma visita é necessária para detectar e matar um câncer incipiente. No exame de Papanicolau, por exemplo, o médico coleta uma raspagem do colo do útero, que é então enviada ao laboratório para avaliação de um patologista. No entanto, muitos países pobres não têm laboratórios de alta qualidade e os resultados podem demorar semanas para chegar.

Mais de 20 países fizeram projetos-piloto, mas a Tailândia é o país que mais tem utilizado a técnica: o procedimento VIA/cryo é rotina em 29 das 75 províncias, e 500 mil dos 8 milhões de mulheres com idades entre 30-44 foram rastreadas pelo menos uma vez.

Bandit Chumworathayi, ginecologista na Khon Kaen University que ajudou a executar o primeiro estudo tailandês do VIA/cryo, explica que o vinagre realça os tumores porque eles têm mais DNA e, por isso, mais proteína e menos água do que outros tecidos. Ele revela pré-tumores com mais precisão do que um exame de Papanicolau típico, mas também gera mais falsos positivos, ou seja, pontos que se tornam pálidos, mas não são malignos, o que faz com que algumas mulheres realizem a crioterapia sem ser necessário. O congelamento, no entanto, é eficaz em 90% dos casos, e seu principal efeito colateral é uma sensação de queimação, que desaparece em um dia ou dois, enquanto o velho método, a biópsia, pode causar sangramento.

Fonte: New York Times

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.