Nova fase de projeto que testa reprodutibilidade de estudos sobre câncer traz boas notícias

A área de biomédicas, especialmente na oncologia, tem vivido uma crise da reprodutibilidade. Sucessivas tentativas de reproduzir estudos sobre câncer têm falhado, colocando em dúvida a confiabilidade das pesquisas.

O projeto “The Reproducibility Project: Cancer Biology” é um dos que tem sistematicamente colocado a prova artigos sobre câncer publicados em periódicos de alto impacto. A iniciativa pega os artigos e a partir deles produz relatórios detalhados sobre a tentativa de reprodução dos experimentos.

Resultados divulgados no início do ano deram um sinal de alerta: de cinco estudos de alto impacto testados, apenas dois foram reproduzidos – um não pôde e os outros dois não puderam ir adiante por problemas técnicos. Mas agora a notícia é melhor. No segundo lote de estudos liberado a maioria dos estudos pôde ser repetida.

Quatro de cinco estudos testados puderam ser replicados. O estudo que não pôde ser reproduzido era um experimento com modelo animal.

A iniciativa foi inspirada por estudos de companhias farmacêuticas que indicavam que cerca de 80% dos estudos pré-clínicos não podiam ser replicados pela indústria. Em 2012, um relatório da Amgen preocupou ao mostrar que de 53 estudos testados, apenas seis tiveram seus resultados replicados e confirmados.

Sofia Moutinho

Jornalista multimídia especializada na cobertura de saúde, ciência, tecnologia e meio ambiente. Formada em jornalismo na UFRJ com pós-graduação pela Fiocruz/COC.