Pesquisa mostra mecanismos biológicos por trás do sarcoma de Ewing

Um estudo publicado na Nature desta semana revela mecanismos que envolvem o gene BRCA1, que quando mutado é ligado ao câncer de mama e ovário, e o sarcoma de Ewing, um tipo de câncer infantil que acomete os ossos e tecidos moles.

A maioria dos casos da doença é causada pelo rearranjo ou fusão de genes. O estudo mostra que a combinação das proteínas EWSR1 e FLI1 está por trás da doença.

A proteína resultante dessa fusão interfere com a função normal da proteína EWSR1, que normalmente funciona como um detector de mutações e alterações “parando” o funcionamento das células com problemas.

Em situações normais, a EWSR1 para os processos quando há algo errado e o gene BRCA1 é responsável por reparar os erros no DNA. Quando há a fusão as proteínas, os processos não param e o BRCA1 não pode atuar.

“A EWSR1 é como o condutor de um trem que vê algum dano nos trilho e o BRCA1 é como a equipe de reparos que atua quando o trem para”, explica um dos autores do estudo, Alexander Bishop do UT Health San Antonio. “Mas no sarcoma de Ewing temos esse oncogene expresso como proteínas de fusão que impede o condutor de parar o trem e impede o reparo dos trilhos.”

Sofia Moutinho

Jornalista multimídia especializada na cobertura de saúde, ciência, tecnologia e meio ambiente. Formada em jornalismo na UFRJ com pós-graduação pela Fiocruz/COC.