Um estudo de fase III em pacientes com câncer de pulmão não-pequenas células (NSCLC) em estadio 3 concluiu que a dose padrão (SD) de radioterapia (60 Gy) é mais segura e mais eficaz do que altas doses (HD) de radioterapia (74 Gy), prolongando a sobrevida por nove meses, com menos mortes relacionadas ao tratamento. A dose de 60 Gy já é padrão no câncer de pulmão não-pequenas células, mas muitos médicos usam doses superiores na expectativa de melhores resultados. Este estudo deve por fim ao tratamento com HD, diante dos melhores resultados alcançados no braço que recebeu a dose padrão.

A radioterapia é empregada para controlar o crescimento do tumor primário e a propagação do câncer. Embora a terapia HD nessa população de pacientes tenha parecido promissora nos ensaios clínicos de fase II, este estudo mostra claramente que altas doses de radiação estão associadas a menor sobrevida.

“Nós esperávamos desde o início que a terapia de altas doses de radiação levasse a melhores resultados. Ficamos surpresos ao descobrir que o tratamento menos intenso levou a melhor controle da progressão e propagação da doença, e ainda melhorou a sobrevida global “, disse o autor Jeffrey D. Bradley, MD, professor de oncologia radiológica na Washington School of Medicine, em St. Louis, Missouri “As razões biológicas para o fracasso da dose mais elevada em relação à sobrevida e controle loco-regional não são facilmente identificáveis”, acrescentou.

No estudo, 464 pacientes foram randomizados para o tratamento com SD ou radioterapia HD, juntamente com a quimioterapia padrão (carboplatina e paclitaxel). Em cada braço do tratamento, os pacientes foram aleatoriamente designados para receber cetuximabe (Erbitux) ou nenhum tratamento adicional.

A sobrevida média dos pacientes que receberam a terapia de radiação SD foi muito maior em comparação aos pacientes que receberam a terapia de radiação HD (28,7 meses versus 19,5 meses) e as taxas de sobrevida global estimadas também foram maiores para o braço SD (66,9% versus 53,9%. A taxas de recorrência local do câncer aos 18 meses foi maior no grupo de pacientes com HD em comparação com o grupo SD ( 34,3% contra 25,1%), e as taxas de recorrência a distância foram de 44% versus 35,3 por cento, respectivamente. O estudo também revela que houve notavelmente maior número de mortes relacionadas com o tratamento em HD, em comparação com o braço que recebeu a dose padrão

“Este é um estudo crítico no campo da radioterapia. Depois de uma década de pesquisa, podemos finalmente encerrar o capítulo em debate que confrontava a terapia de altas doses com a dose padrão no tratamento do câncer de pulmão, usando dados baseados em evidências para melhorar o atendimento aos nossos pacientes “, disse a presidente da ASCO Sandra M. Swain.

Esta pesquisa foi apoiada pelo NCI e pela Eli Lilly.

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.