Um grupo de cientistas descobriu que altos níveis de uma proteína nas células cancerígenas são um indicador “confiável” de que o câncer vai se propagar pelo organismo humano, segundo estudo publicado no periódico “Journal of Clinical Investigation”.

Os pesquisadores, pertencentes aos Institutos Nacionais da Saúde dos EUA e à Universidade de Hong Kong, analisaram o material genético da proteína CPE-Delta N dos tumores extirpados cirurgicamente dos pacientes e do material genético de tecidos circundantes.

Após medir os níveis desta proteína nas células cancerígenas, os pesquisadores conseguiram prever em 90% dos casos se o câncer se estenderia pelo prazo de dois anos.

A proteína CPE-Delta N é uma variante da proteína Carboxipeptidase E, que está normalmente envolvida no processamento de hormônios como a insulina.

Essa descoberta abre a possibilidade, a longo prazo, de realizar novos testes para avaliar a probabilidade de um câncer se estender, assim como de elaborar um tratamento de prevenção.

A médica E. Peng Loh, da seção de neurobiologia celular do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano dos EUA, ressaltou que “é muito importante saber quando um câncer tem o potencial de se propagar” para tratá-lo.

“Atualmente, não há biomarcadores precisos que possam fornecer esta classe de prognósticos. A previsão se determina de acordo com a etapa em que se encontra o câncer”, assinalou.
Fonte: EFE
revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.