Segundo um novo estudo realizado por cientistas do Salk Institute for Biological Studies, medicamentos que têm como alvo uma enzima envolvida no processo de inflamação podem oferecer uma nova via para o tratamento de certos cânceres de pulmão.

Pesquisadores observaram que o bloqueio da atividade da enzima IKK2, que ajuda a ativar a resposta do corpo à inflamação, retardou o crescimento de tumores em ratos com câncer de pulmão, aumentando sua sobrevida.

Os resultados, publicados em fevereiro na revista Nature Cell Biology, sugerem que as drogas que interferem na capacidade da enzima de comandar a atividade celular podem ser eficazes como terapias de câncer de pulmão.

Para entender melhor como esses componentes do sistema imunológico, normalmente úteis, são utilizados para realizar tarefas nefastas ​​em células neoplásicas, Inder Verma, professor de biologia molecular da Salk’s American Cancer Society e autor principal do artigo, e seus colegas desenvolveram um novo método de indução de câncer de pulmão de não pequenas células em camundongos. Os cientistas usaram um vírus modificado para inserir mutações genéticas em células que revestem os pulmões dos ratos, levando os animais a desenvolver tumores. Isso serviu de base para estudos sobre as causas moleculares desse tipo de câncer específico.

Eles voltaram sua atenção para um complexo de proteínas, NF-KB, que inicia a resposta inflamatória à infecção por orquestrar a atividade genética de uma célula. A regulação em mau funcionamento do NF-KB tem sido associada a vários tipos de câncer, incluindo o de pulmão, mas, devido às suas múltiplas funções na célula, as drogas que têm como alvo direto o NF-KB poderiam causar efeitos secundários graves.

Para contornar essa limitação, os pesquisadores focaram no IKK2, uma enzima que estimula a atividade do NF-KB em resposta ao estresse. Quando a atividade do IKK2 foi bloqueada em ratos com câncer de pulmão, os animais apresentavam tumores menores e viviam mais, sugerindo que a enzima é necessária para o NF-KB estimular o crescimento do tumor.

Os investigadores também demonstraram que TIMP-1, um gene envolvido na regulação do crescimento celular, transporta as ordens do NF-KB para estimular as células do câncer de pulmão a se proliferar. Quando foi suprimida a expressão do gene, os ratos com câncer de pulmão apresentaram tumores menores e sobreviveram mais tempo.

Adaptado de Salk Institute

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.