Quase 2 mil pacientes foram recrutados para uma pesquisa do País de Gales que poderá reduzir o número de pessoas que morrem de câncer de pulmão.

O estudo é a maior experiência sobre câncer de pulmão no mundo e pode revolucionar a maneira como a doença e outros tipos de câncer são tratados.

O objeto do estudo é descobrir se uma droga comum para diluir o sangue, segura e barata, pode prevenir o câncer de pulmão de se espalhar por todo o corpo, impedindo a formação de coágulos sanguíneos nos pulmões.

A experiência foi criada por Fergus Macbeth e Simon Noble no Velindre Cancer Centre, em Cardiff, e recrutou pacientes de 156 hospitais em todo o Reino Unido. “Sabemos que as pessoas com câncer e aqueles submetidos à quimioterapia têm um risco maior de desenvolver coágulos sanguíneos, o que pode debilitá-los e, por vezes, encurtar suas vidas ou mesmo matá-los. Esperamos que uma droga para afinar o sangue e evitar a formação de coágulos possa ajudá-los a viver mais tempo”, disse Noble.

Alguns estudos clínicos e laboratoriais também sugeriram que estes medicamentos possuem efeitos anti-câncer. “Além de prevenir coágulos sanguíneos, eles trabalham contra o câncer interrompendo seu desenvolvimento e proliferação. Existem várias maneiras possíveis de isso acontecer, mas acreditamos que ele impede que coágulos de sangue do tumor primário viajem na corrente sanguínea para outras partes do corpo”, acrescentou Noble.

Segundo ele, “é muito emocionante porque a principal causa de morte dos pacientes com câncer, especialmente câncer de pulmão, são os tumores secundários”.

Gareth Griffiths, diretor científico da Wales Cancer Trials Unit (WCTU), instituição que coordena o estudo, disse que alguns dos principais benefícios da droga são o baixo custo e  que ela é muito barata e o fato de ela poder ser auto-administrada pelo paciente ou por seu cuidador em casa. “Embora não seja uma cura, esperamos que essa pesquisa ajude a melhorar e, potencialmente, a prolongar a vida de pacientes com câncer de pulmão.”

Cerca de metade dos doentes que participam da pesquisa estão utilizando o Fragmin (também conhecido como dalteparina) para diluir o sangue todos os dias, durante 24 semanas, ao mesmo tempo em que continuam fazendo seu tratamento normal para o câncer de pulmão.

O custo do tratamento gira em torno de 200 libras (aproximadamente 600 reais), muito barato se comparado às dezenas de milhares de libras de um medicamento avançado de quimioterapia. “Há diversos outros tipos de câncer nos quais essa droga poderá ser testada – os estudos iniciais foram em mama, colorretal e próstata. Precisamos saber como Fragmin funciona em um tipo específico de câncer – câncer de pulmão -, mas o próximo passo será testá-lo para outros tipos de câncer. Isso pode mudar a nossa forma de administrar não só o câncer de pulmão, mas pode também nos conduzir a outros estudos”, afirmou Noble.

Fonte: Wales Online

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.