Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), até 2013, aproximadamente 62 mil novos casos de câncer da pele não melanoma poderão ser registradosem homens. Nasmulheres o número é ainda maior, podendo chegar a 71 mil casos. No Brasil, o tumor acomete ambos os sexos e a maior incidência é na região Sul. A exposição excessiva ao sol é o principal fator de risco.

“O melanoma é menos frequente do que os outros tumores da pele”, afirma Luciana Holtz, presidente do Instituto Oncoguia. Entretanto, é o mais letal. A especialista alerta que as ações de prevenção primária, como a proteção contra a radiação solar, podem diminuir o risco da doença.

Para disseminar a necessidade de prevenção, o Instituto Oncoguia, entidade destinada a promover o acesso do cidadão à informação, prevenção e tratamento do câncer, está realizando uma campanha de conscientização sobre o câncer de pele. A campanha é composta por um vídeo (clique aqui para assistir) que tem como objetivo informar a população sobre a doença e a importância do diagnóstico precoce.  Até o final de junho a Sunlace, marca de proteção solar patrocinadora do projeto, irá doar R$ 0,10 para a Instituição a cada visualização do vídeo no canal do youtube. O dinheiro arrecado será revertido para a promoção de mais ações de alerta contra o câncer de pele.

Conheça a sua pele

Quando diagnosticado e tratado enquanto o tumor ainda não invadiu profundamente a pele, o câncer pode ser curado. Para isso, existe um método simples para detectar precocemente o câncer de pele, incluindo o melanoma.

É importante tomar cuidados com a exposição solar, utilizando um protetor solar com mínimo FPS 15, que deve ser aplicado pelo menos 30 minutos antes da exposição ao sol. Reaplique o protetor solar a cada duas horas, ou imediatamente após nadar ou transpirar excessivamente, e evite o sol entre as 10 e 16 horas, utilizando chapéus e óculos com proteção UV.

Observe sempre o seu corpo para se familiarizar com a superfície normal da sua pele. Anote as datas e a aparência da pele a cada observação, e tenha em mente o ABCD da transformação de uma pinta em melanoma, como descrito abaixo:

• Assimetria – uma metade diferente da outra

• Bordas irregulares – contorno mal definido

• Cor variável – várias cores numa mesma lesão: preta, castanho, branca, avermelhada ou azul

• Diâmetro – maior que6 mm

Fonte: Instituto Nacional de Câncer (INCA)

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.