Uma nova pesquisa americana descobriu uma técnica simples e minimamente invasiva que usa células do interior do nariz para detectar câncer de pulmão nos seus primeiros estágios, mais tratáveis.

O câncer de pulmão é a causa mais comum de mortalidade por câncer. Ele tem uma taxa média de sobrevivência de cinco anos de apenas 15%. No entanto, as taxas de sobrevivência dependem muito do estágio do câncer quando detectado.

Em fase inicial, essa taxa de sobrevivência de cinco anos é de 60%, em comparação com apenas 2% em fase final. Porém, o diagnóstico precoce é difícil, já que os testes de diagnóstico atualmente disponíveis são altamente invasivos, como biópsia pulmonar.

Os pesquisadores queriam determinar se um procedimento minimamente invasivo poderia ser usado para diagnosticar o câncer em seus estágios iniciais, quando há uma chance muito maior de sobrevivência.

Segundo eles, alterações no gene em células nasais encontradas na superfície interna do nariz podem servir como um método de detecção precoce do câncer de pulmão em fumantes.

No estudo, os pesquisadores coletaram células epiteliais nasais de 33 fumantes que foram submetidos a broncoscopia medicamente indicada para suspeita de câncer de pulmão. Destes, 11 tinham uma doença benigna e 22 câncer de pulmão.

Amostras foram tiradas das narinas dos pacientes e passaram por um processo que permite que os pesquisadores estudem as mudanças de expressão gênica. Assim, eles obtiveram um retrato detalhado dos níveis de expressão de um grande número de genes simultaneamente, o que possibilitou diferenciar os genes que se expressam em pacientes com câncer de pulmão e pacientes com doença benigna.

A hipótese da pesquisa era que o epitélio das vias aéreas superiores de fumantes com câncer de pulmão apresentariam um padrão de expressão de genes específicos do câncer, e essa expressão gênica refletiria as mudanças que ocorrem no tecido pulmonar.

Os cientistas identificaram 170 genes que foram diferencialmente expressos entre pacientes com e sem câncer de pulmão. Eles também descobriram que os genes ligados ao câncer de cólon e adenocarcinoma, assim como os genes que desencadeiam divisão celular e crescimento do vaso sanguíneo, foram expressos mais intensamente nos pacientes com câncer. Genes envolvidos na supressão do tumor também foram expressos em níveis mais baixos nestes pacientes.

Os resultados do estudo são preliminares, mas podem ser considerados uma indicação inicial de que simples “escovações nasais” oferecem uma alternativa à biópsia de pulmão e outras técnicas invasivas para detectar câncer de pulmão em seu estágio inicial.

Os pesquisadores estão se preparando para um estudo maior que confirme as conclusões da pesquisa atual, com o objetivo de desenvolver um biomarcador nasal para o diagnóstico precoce de câncer de pulmão.

Fonte: Science Daily

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.