Os resultados de um estudo de fase I de um novo medicamento alvo oral, idelalisibe (GS-1101), mostram o potencial deste agente como terapia para a leucemia linfocítica crônica (LLC) recidivante ou resistente ao tratamento. A droga produziu rápida redução do tumor por longa duração em metade dos pacientes tratados, empregada como agente único, parando a progressão da doença por 17 meses, em média. A atividade do medicamento é significativa quando se considera que os pacientes tinham sofrido uma média de cinco terapias anteriores.

A LLC, normalmente diagnosticada através de um exame de sangue de rotina, é um câncer de crescimento lento e muitos pacientes não necessitam de tratamento, até que eles comecem a apresentar sintomas. A grande maioria dos doentes com LLC experimenta recaída em algum ponto depois do tratamento inicial com quimioimunoterapia. E cerca de 20% dos pacientes têm a chamadas doença refratária, o que significa que vai recair rapidamente (dentro de seis meses), deixando de responder ao tratamento inicial.Ambas as categorias de pacientes precisam de tratamentos melhores e as opções atualmente aprovadas (imunoterapia e quimioterapia) têm sucesso limitado.

Idelalisibe é a primeira droga que bloqueia seletivamente a PI3K-delta, um subtipo de proteínas hiperativas especificamente no linfoma de células B, com papel crítico no crescimento do tumor. Este é o primeiro estudo que explora seletivamente um inibidor de PI3K – incluindo um inibidor da PI3K-delta – especificamente em doentes com LLC.

“Temos vários agentes em desenvolvimento para a LLC. Drogas como o idelalisibe provavelmente vão mudar a paisagem da doença nos próximos anos”, disse a principal autora do estudo, Jennifer Brown, do Dana-Farber Cancer Institute. “Embora essa pesquisa ainda esteja em seu curso inicial, esperamos que essa droga, juntamente com outros agentes como ela, possam aumentar a sobrevida e, eventualmente, ajudar a transformar LLC em uma condição que é tratada como pressão arterial elevada, em que o paciente pode ter um par de comprimidos todos os dias. No curto prazo, essas drogas também podem fornecer uma alternativa à quimioterapia em pacientes idosos, que tendem a não tolerar a quimioterapia”, acrescentou.

Este estudo incluiu 54 pacientes com leucemia linfocítica crônica refratária ou recorrente, que receberam idelalisibe como monoterapia. A duração média do tratamento foi de nove meses. A redução do tumor foi rápida , geralmente nos primeiros dois meses após o início da terapia, e foi observada em cerca de dois terços dos pacientes. Em média, a droga retardou a progressão da doença por 17 meses, o que é um resultado muito melhor do que normalmente se espera para uma terapia de sexta linha, que pode geralmente ter o benefício de seis a 12 meses. Muitos pacientes experimentaram uma diminuição nos sintomas da doença, como a fadiga. Aos pacientes que se beneficiaram da droga foi oferecida a oportunidade de continuar o tratamento em um estudo de extensão.

Os pesquisadores relataram que os efeitos secundários são controláveis e apenas 7% dos pacientes interromperam o tratamento devido a efeitos adversos. “Este estudo ilustra como a nossa crescente compreensão da biologia do tumor permite o desenvolvimento de drogas dirigidas a alvos selecionados. É um agente altamente promissor, que vislumbra a possibilidade de uma nova alternativa para a LLC, melhorando a qualidade de vida do paciente”, disse a presidente da ASCO, Sandra M. Swain.

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.