Pessoas diagnosticadas com câncer de pulmão há pouco tempo têm maior risco de ter um acidente vascular cerebral do que aqueles que não possuem tumores de pulmão, de acordo com um estudo de Taiwan.

Os pesquisadores do China Medical University analisaram dados de mais de 150 mil adultos e descobriram que entre aqueles com câncer de pulmão, 26 em cada 1.000 tiveram um acidente vascular cerebral a cada ano. Entre os que não tinham tumores no pulmão, a taxa foi de 17 em 1.000.

Questões de estilo de vida que podem influenciar o risco de AVC – como fumar, beber ou a dieta – não foram levados em conta, disse Fung-Chang Sung, principal autor do estudo, que foi publicado no periódico Stroke.

Ainda assim, o risco foi maior durante os primeiros três meses após o diagnóstico de câncer de pulmão para homens e durante os primeiros quatro a seis meses para as mulheres.

“O câncer de pulmão está associado ao aumento do risco de acidente vascular cerebral posterior em um período de um ano após o diagnóstico para os homens e dois anos após o diagnóstico para as mulheres,” escreveram Sung e seus colegas, acrescentando que o risco posterior diminuiu após esse período de tempo.
Os pesquisadores também descobriram que um tipo menos comum de AVC – o AVC hemorrágico, causado por uma hemorragia repentina no cérebro – ocorre com mais frequência entre os pacientes com câncer de pulmão do que o acidente vascular cerebral isquêmico, que geralmente é causado por um coágulo que bloqueia o fluxo sanguíneo para o tecido cerebral.

Algumas evidências sugerem que sangramento excessivo e coágulos de sangue, que podem ser causados por tumores, assim como os efeitos colaterais da quimioterapia, poderiam explicar, em parte, a aparente ligação entre câncer e acidente vascular cerebral, disseram os pesquisadores.

“O tipo mais comum de câncer de pulmão, o adenocarcinoma, aumenta a propensão do corpo de formar coágulos de sangue, até mais do que outros tipos de câncer”, disse Andrew Russman, especialista em derrames do Henry Ford Hospital, em Detroit, que não fez parte do estudo.

Mais de 52 mil pessoas com câncer de pulmão e mais de 104 mil pessoas sem câncer de pulmão foram selecionadas em um banco de dados nacional de seguro de saúde.

A maioria da população estudada foi de agricultores, pescadores e vendedores, que tendem a ter pressão alta, diabetes e doenças cardíacas.

“Há uma taxa maior de pressão alta, diabetes e doenças pulmonares em pacientes com câncer de pulmão”, disse Russman. “Eu acho que isso reflete a pesada carga de tabagismo e fatores de riscos relacionados ao fumo na população”.

De acordo com a American Lung Association, o tabagismo é diretamente responsável por cerca de 90% das mortes por câncer de pulmão, enquanto a American Heart Association disse em um relatório que acidentes vasculares cerebrais representaram uma em cada dezoito mortes nos Estados Unidos em 2007.

“Nos EUA, os fumantes têm o dobro de risco de ter um derrame, independentemente do câncer de pulmão”, disse Russman.

 

Fonte: Reuters

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.