Um novo estudo aborda uma das questões que mais preocupam os homens com câncer de próstata: quais são as chances de perder a função sexual após o tratamento?

O estudo constatou que as respostas variam muito por idade, potência sexual antes do tratamento, os níveis de PSA e se ele fez cirurgia, radioterapia padrão ou sementes radioativas.

Utilizando os resultados, os homens podem ter uma ideia de suas chances pessoais respondendo a perguntas que incluem também peso e raça, disseram os especialistas. Como já era de se esperar, os homens mais velhos, cuja função sexual já é baixa, têm as piores chances de uma boa função sexual após o tratamento.

“Isso vai possibilitar que os pacientes tenham uma visão mais realista do que esperar, ao invés de tentar adivinhar onde eles se encaixam em relação ao indivíduo médio com câncer de próstata”, disse o co-autor Martin Sanda, do Beth Israel Deaconess Medical Center, em Boston.

O estudo financiado pelo governo federal foi publicado na revista da American Medical Association e incluiu apenas homens com câncer em estágio inicial, sem abordar as taxas de cura para diferentes tratamentos. No mundo real, alguns pacientes têm opções de tratamento limitadas. Por exemplo, só os homens em estágio inicial e com câncer de crescimento lento podem optar pelas sementes radioativas.

Isso significa que os resultados podem ser mais úteis em dar uma imagem realista dos efeitos colaterais em relação ao sexo de um tratamento que já está escolhido, ao invés de ajudar os homens a escolher um tratamento.

Os pesquisadores estudaram os fatores que afetam a potência nos homens e desenvolveram um questionário para ajudar a medi-la. Eles avaliaram sua utilidade entre 1.027 pacientes com câncer de próstata com idades entre 38 e 84 anos e validaram a sua precisão em um grupo separado de mais de 1.900 homens.

Ele previu corretamente as chances de potência no pós-tratamento em 77% dos homens que fizeram cirurgia e 90% dos homens que receberam radiação. O estudo encontrou uma grande variação nas probabilidades dos homens de ter ereções firmes após o tratamento.

Para a cirurgia, as perspectivas de manutenção da função sexual superior para um homem de 50 anos de idade pode variar de 21% a 70%, dependendo do seu nível de PSA e da utilização de uma técnica que poupa os nervos.

Para a radiação padrão, segundo o estudo, as chances de um homem manter a função sexual superior variou de 53% a 92%, dependendo do nível de PSA e se hormônios foram usados junto com radiação. Os pesquisadores não encontraram diferença relacionada à idade para a radiação padrão.

Para as sementes de radiação, as chances de um homem de 60 anos de idade manter a função sexual superior variaram de 58% a 98%, dependendo da raça e do índice de massa corporal. Afro-americanos e homens mais saudáveis tiveram melhores chances.

Para os especialistas, o estudo tem algumas deficiências. Não incluiu homens que escolheram a chamada “vigilância activa”, onde um médico mantém o controle de um tumor através de exames regulares e só o trata se o câncer piora nitidamente. Muitos pacientes de câncer de próstata com tumores de crescimento lento podem viver suas vidas inteiras sem sintomas ou tratamento, disse Durado Brooks, diretor de câncer de próstata do America Cancer Society. Eles morrem de outras causas antes do câncer matá-los.

Fonte: Washington Post

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.