Pesquisadores da McGill University e da Université de Montréal procuram entender exatamente como a metformina, uma droga tipicamente usada para combater o diabetes tipo 2, pode prevenir o câncer.

A droga mais amplamente prescrita para tratar a diabetes tipo 2 também pode ajudar a prevenir câncer de cólon em pessoas que são consideradas de alto risco, sugere uma nova pesquisa realizada por uma equipe de cientistas de Montreal.

Já foi demonstrado em estudos anteriores que a metformina pode diminuir em 40% as taxas de câncer em pessoas que tomam o medicamento, em comparação com os diabéticos que não tomam o medicamento.

Pesquisadores da McGill University e da Université de Montréal procuram entender exatamente como a Metformina pode prevenir o câncer. A teoria prevalente antes do estudo era de que como as células neoplásicas têm um apetite voraz por glicose, usar uma droga para diminuir os níveis  de glicose no sangue para o tratamento de diabetes tipo 2 também pode inadvertidamente bloquear o câncer.

Os pesquisadores confirmaram que a ação hipoglicemiante da metformina tem um papel sutil na prevenção do câncer. Mas eles também fizeram uma descoberta muito mais importante e inesperada: a metformina protege as células dos danos do DNA que podem levar ao câncer.

“Surpreendentemente, descobrimos que a metformina protegia o DNA de mutações “, disse o diretor do estudo, Michael Pollak, professor nos departamentos de medicina e oncologia da McGill.

“É notável que a metformina – uma droga barata, não protegida por patente de medicamentos, segura e amplamente utilizada – tenha várias ações biológicas que podem resultar em redução do risco de câncer.”

As células queimam nutrientes para produzir energia. Esse processo de queima produz o que Pollak compara a uma espécie de escape celular, conhecido como espécies reativas de oxigênio. É esse escape que pode causar danos ao DNA no interior das células, que por sua vez, pode desencadear o câncer.

A metformina age como um “filtro” de escape celular, explicou Pollak, reduzindo espécies reativas de oxigênio.

“A droga parece impedir seletivamente (o escape celular) de produção … tais como aqueles encontrados em células com mutações oncogênicas”, disse o co-autor Gerardo Ferbeyre, do departamento de bioquímica da Université de Montréal.

Os pesquisadores fizeram a descoberta por meio de um tratamento de células da mama e do cólon pré-neoplásicas com metformina. Os resultados do estudo foram publicados na revista Cancer Prevention Research.

 

Fonte: The Montreal Gazette

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.