Aprovado uso de daratumumabe para pacientes com mieloma não elegíveis a transplante no Brasil

A Anvisa aprovou a antecipação do medicamento imuno-oncológico daratumumabe para pacientes com mieloma múltiplo recém-diagnosticados e que não podem realizar o transplante autólogo de células-tronco.

Essa aplicação do medicamento foi apresentada na última reunião anual da Sociedade Americana de Hematologia – ASH, em Atlanta, no estudo ALCYONE, que demonstrou que o daratumumabe em combinação com outras drogas – bortezomibe, melfalano e prednisona – reduziu pela metade o risco de progressão da doença e de morte nos pacientes com mieloma múltiplo inelegíveis para o transplante quando comparado ao tratamento padrão. O medicamento, no entanto, ainda não está disponível no SUS.

O hematologista Eduardo Rego, coordenador de hematologia do Grupo OncologiaD’Or e professor da USP, comenta que a aprovação do medicamento representa uma grande mudança no modo com a doença vinha sendo tratada. “Essa incorporação comprova a mudança de um paradigma e sugere que a imunoterapia provavelmente será parte do backbone de diferentes estratégias de tratamento”, diz. “Embora as questões de financiamento dos novos tratamentos ainda estejam em aberto, fico entusiasmado com o avanço.”

Durante o ASH, a revista Onco& entrevistou a hematologista Vânia Hungria, da Santa Casa de SP, sobre o estudo e seu impacto. Confira:

 

 

Sofia Moutinho

Jornalista multimídia especializada na cobertura de saúde, ciência, tecnologia e meio ambiente. Formada em jornalismo na UFRJ com pós-graduação pela Fiocruz/COC.