Exame de urina é capaz de identificar a volta da doença mais precocemente que métodos atuais

Pesquisadores criaram um exame simples que pode detectar  mais precocemente o retorno do câncer de bexiga do que os métodos atuais. O teste foi apresentado na edição de hoje do British Journal of Cancer.

O exame, criado por cientistas do Hospital Universitário de Lyon (França), se baseia na detecção da forma anormal da proteína transcriptase reversa telomerase (TERT) na urina. No estudo, foram testadas amostras de urina de 348 pacientes com câncer de bexiga e a detecção da substância se mostrou eficaz para prever a recidiva em 80% dos casos. A taxa é alta quando comparda com o método tradicional de citologia, que chega a 34% de eficácia.

O teste detecta o câncer de bexiga em estágio anterior à citologia, quando ainda não se espalhou para a parede muscular e tem a vantagem de ser feito apenas com a amostra da urina em laboratório. “O teste de citologia precisa de um médico que olhe no microscópio e interprete os resultados do que vê, o teste de TERT é lido por uma máquina, o que torna tudo mais simples, mais acurado e possível de escala”, diz o líder da pesquisa, Alain Ruffion.

O novo exame, no entanto, é mais caro que a citologia. Mas o médico aponta que ele deve se tornar mais acessível conforme for sendo usado por mais gente.

Agora, os pesquisadores pretendem dar continuidade aos estudos para entender melhor o papel da TERT no câncer.

Sofia Moutinho

Jornalista multimídia especializada na cobertura de saúde, ciência, tecnologia e meio ambiente. Formada em jornalismo na UFRJ com pós-graduação pela Fiocruz/COC.