Combinação de hábitos aumenta em até cinco vezes a chance de desenvolver câncer de esôfago

O consumo frequente de chá quente vem sendo associado ao maior risco de desenvolver cânceres gastrointestinais em diversos estudos. Porém não era claro se essa associação se devia somente ao chá quente ou a outros hábitos nocivos. Uma nova pesquisa publicada no Annals of Internal Medicine esclarece essa ligação após acompanhar mais de 450 mil pessoas. O estudo indica que o chá quente aumenta o risco de câncer de esôfago especialmente entre as pessoas que também fumam e bebem álcool.

A pesquisa acompanhou homens chineses com hábito de consumo de chá por mais de 9 anos. Eles observaram que aqueles que consumiam chá quente ou fervente diariamente mostraram um risco até cinco vezes maior de desenvolver câncer de esôfago quando também consumiam 15g de álcool ou mais por dia ou fumavam.

Um copo de cerveja, uma taça de vinho e uma dose destilados contém em média 14g de álcool. O risco de câncer não foi observado nas pessoas que consumiam chá diariamente sem beber álcool ou fumar.

O risco de câncer já é bem estabelecido para o consumo de álcool e fumo. Os pesquisadores acreditam que o chá em alta temperatura, bem como qualquer bebida consumida em alta temperatura funciona como um catalizador, acelerando o desenvolvimento dos tumores.

“Os efeitos sinergéticos de beber chá em altas temperaturas, consumir álcool em excesso e fumar têm uma explicação biológica plausível”, diz o artigo. “Pesquisas sugerem que o calor pode causar dano ao epitélio e prejudicar sua função de barreira, aumentando o risco de danos por outros fatores de risco, como consumo excessivo de álcool e fumo. A liberação de compostos nitrosos, formados como resultado de processos inflamatórios associada com a irritação térmica crônica da mucosa do esôfago contribuem para o desenvolvimento do câncer.”

A Agência Internacional de Pesquisa em Câncer recentemente classificou o consumo de bebidas quentes, acima de 65°C como potencialmente carcinogênico. Os autores do estudo recomendam que pessoas com histórico de fumo e uso de álcool larguem o consume de chá quente.

Sofia Moutinho

Jornalista multimídia especializada na cobertura de saúde, ciência, tecnologia e meio ambiente. Formada em jornalismo na UFRJ com pós-graduação pela Fiocruz/COC.