Pesquisadores na Suécia acreditam haver uma relação entre o consumo de carne processada, como bacon ou salsichas, e o câncer de pâncreas.

Segundo os especialistas, comer 50g de carne processada, cerca de uma salsicha, todos os dias aumentaria  em 19% o risco de uma pessoa desenvolver câncer de pâncreas.

Porém, a chance de desenvolver o câncer raro permanece baixa.

O Fundo Mundial para Pesquisa do Câncer (WCRF, na sigla em inglês) sugere que a relação pode ser com a obesidade.

O consumo de carne vermelha e processada já foi relacionado ao câncer de intestino. Como resultado, em 2011 o governo do Reino Unido recomendou que as pessoas comessem no máximo 70g por dia.

Susanna Larsson, que conduziu o estudo do Instituto Karolinska, disse à BBC que associações para outros tipos de câncer foram “bastante controversos”. E acrescentou: “Sabe-se que comer carne aumenta o risco de câncer colorretal, mas não se sabe muito sobre outros tipos de câncer.”

O estudo, publicado no British Journal of Cancer, analisou dados de 11 estudos e 6.643 pacientes com câncer de pâncreas.

Risco aumentado

Ela afirmou que consumir carnes processadas aumenta o risco de câncer de pâncreas. O risco aumentou 19% para cada 50g que alguém adiciona à sua dieta diária. Ter 100g extras aumentaria o risco em 38%.

Segundo Larsson, “o câncer de pâncreas tem baixas taxas de sobrevida. Portanto, assim como diagnosticá-lo precocemente, também é importante entender o que pode aumentar o risco desta doença.” Sua recomendação é que as pessoas comam menos carne vermelha.

Sintomas do câncer pancreático

• Perda de peso sem causa aparente
• Dor abdominal (muitas vezes descrita como uma dor muito forte que se espalha para as costas, e que pode torna-se pior se o paciente come)
• Icterícia
• Perda de peso e fraqueza
• Náuseas e perda de apetite
• Dor nas costas
• Comichão de pele
• Diabetes
• Febre e calafrios

O Cancer Research UK disse que o risco de desenvolver câncer de pâncreas em toda a vida foi “relativamente pequeno” – um para cada 77 homens e um para cada 79 mulheres.

Sara Hiom, diretora de informação da instituição, disse: “A discussão ainda está aberta para decidir se a carne é de fato um fator de risco para câncer de pâncreas. São necessários estudos maiores para confirmar essa informação, mas essa nova análise sugere que a carne processada pode desempenhar um papel.”

Ela ressaltou, no entanto, que o fumo é um fator de risco muito maior.

O Fundo Mundial para Pesquisa do Câncer alertou as pessoas para evitarem completamente a carne processada.

Segundo Rachel Thompson, chefe-adjunta do fundo de ciência da instituição, “vamos re-examinar os fatores por trás do câncer pancreático no final deste ano como parte do nosso projeto de atualização contínua, que deve nos dizer mais sobre a relação entre o câncer do pâncreas e a carne processada”.

“Há fortes evidências de que estar acima do peso ou a obesidade aumentam o risco de câncer de pâncreas. Este estudo pode ser uma indicação de um outro fator por trás da doença.”

“Independentemente dessa última pesquisa, que já estabeleceu uma forte ligação entre o consumo de carne vermelha e processada e suas chances de desenvolver câncer de intestino, razão pela qual a WCRF recomenda limitar a ingestão de carne vermelha cozida a 500g por semana e evitar completamente as carnes processadas.”

Fonte: BBC News Health

revista-onco

Oncologia para todas as especialidades.